quinta-feira, 19 setembro 2019

Acções e Iniciativas

PCP visitou zonas atingidas pela Tempestade Leslie no distrito de Leiria

Visita Tempestade Leslie 12 Visita Tempestade Leslie 17

Visita Tempestade Leslie 26 Visita Tempestade Leslie 42

Visita Tempestade Leslie 48 Visita Tempestade Leslie 52

Uma delegação do PCP, constituída por Ângelo Alves e João Frazão, membros da Comissão Política do Comité Central do PCP; Filipe Rodrigues, Membro do Comité Central e outros membros da Direcção da Organização Regional de Leiria do PCP, visitaram hoje diversas explorações agrícolas e edificações nos concelhos de Pombal e Leiria, atingidas no passado dia 13 de Outubro pela Tempestade Leslie, que assolou a região Centro.
 
Com esta deslocação, o PCP pretendeu inteirar-se da situação em que ficaram as populações e em particular os agricultores vítimas de mais esta tragédia, conhecer qual a intervenção que, no terreno, já se fez sentir por parte do Governo e designadamente do Ministério da Agricultura, avaliar as medidas que são ainda necessárias e dar a conhecer a proposta que o PCP já entregou, no quadro do debate na especialidade do Orçamento do estado para 2019, que prevê um mecanismo especial de apoio para a recuperação de prejuízos e reposição do potencial produtivo perdido com esta violenta tempestade.
 
A delegação do PCP efectuou visitas a seis explorações agrícolas ligadas à produção de plantas e hortícolas em viveiro, à produção de arroz, à produção de hortícolas em estufa e ainda a um projecto que, dias antes da tempestade, estava a iniciar a produção de morango em hidroponia.
 
A imagem de devastação encontrada, três semanas após a passagem da tempestade, é reveladora da brutalidade e dos prejuízos que causou a dezenas de pequenos e médios agricultores, em culturas e equipamentos de apoio. Só nas seis explorações referidas, que empregam mais de uma centena de trabalhadores, a delegação do PCP pôde, a partir da informação dos produtores, constatar prejuízos superiores a 1 milhão e 300 mil euros.
 
Para o PCP a exigência que se coloca, tendo também em conta a experiência dos incêndios de 2017, é, para lá da assumpção de responsabilidades por parte das Seguradoras, uma resposta da parte do Governo, simultaneamente célere e simples, que tenha em conta o tipo de agricultores afectados e a dimensão das explorações.
 
Assim, o PCP propôs já na Assembleia da República: a) que os apoios até 5000€ sejam simplificados, libertando-os de complexas e burocratizadas regras, requisitos e exigências do PDR2020; b) que o Governo atribua adiantamentos necessários às vítimas que comprovadamente deles necessitem; c) que os apoios sejam também atribuídos a Cooperativas, Agrupamentos de Produtores e Associações.
 
Para lá da celeridade e simplificação dos apoios - questão central para garantir que os produtores atingidos se sintam estimulados e possam reiniciar a sua actividade o mais rápido possível -  uma das mais sentidas exigências transmitidas pelos agricultores ao PCP foi a da abertura de uma linha de crédito, com créditos de longo prazo e sem juros, para o desendividamento e para operações de tesouraria.
 
O PCP expressa a sua mais profunda solidariedade para com as vítimas de mais esta autêntica catástrofe, e reclama respostas imediatas para que seja reposto o potencial produtivo perdido e para que sejam compensados os agricultores pelos rendimentos perdidos.
 
 
 
06 de Novembro de 2018
 
Direcção da Organização Regional de Leiria do Partido Comunista Português

 

Imprimir Email