sábado, 04 abril 2020

Acções e Iniciativas

Lançamento da Campanha "Valorizar o trabalho e os trabalhadores. Não à exploração!"

20181026 jantar martingança1 copia

PCP lança campanha de contacto e esclarecimento junto dos trabalhadores no Distrito de Leiria 

A Organização Regional de Leiria do PCP dará início, na próxima sexta-feira, 7 de Fevereiro, a uma campanha de contacto e esclarecimento junto dos trabalhadores do Distrito de Leiria com o lema “Valorizar o trabalho e os Trabalhadores. Não à exploração”.

O arranque desta campanha, inserida numa acção nacional do PCP com o mesmo lema, será marcado pela realização, num único dia, (7 de Fevereiro) de 21 acções de contacto e distribuição de propaganda, em 21 empresas  e outros locais de trabalho do Distrito de Leiria distribuídas pelos Concelhos de Ansião, Pombal, Leiria, Marinha Grande, Alcobaça, Porto de Mós, Batalha, Caldas da Rainha, Bombarral e Peniche

A campanha, que se prolongará durante todo o primeiro semestre de 2020 com outras acções de contacto, iniciativas diversas e acções de esclarecimento dirigidas a sectores específicos, tem como objectivos centrais: a denuncia do agravamento da exploração do trabalho e as suas causas, nomeadamente os avultados lucros dos grandes grupos económicos que contrastam com uma política de baixos salários; a propagação da ideia de que, como os últimos quatro anos mostraram, vale a pena lutar pelos rendimentos e direitos dos trabalhadores; o estímulo à unidade, luta e movimento reivindicativo dos trabalhadores; a divulgação das posições e propostas do PCP para a defesa de quem trabalha e que visam levar ainda mais longe a reposição e a conquista de rendimentos e direitos do trabalho.

Temas como: a exigência do fim da precariedade e da desregulação dos horários; o respeito por direitos laborais e sindicais, nomeadamente da contratação colectiva; a reivindicação do direito às 35 horas semanais para todos os trabalhadores; o respeito e cumprimento dos direitos dos trabalhadores por turnos; o aumento mínimo de 90 euros para todos os trabalhadores e do salário mínimo para 850 Euros mensais, serão tocados pela campanha a que o PCP dá agora início no Distrito de Leiria.

Na Sexta Feira, dia 7 de Fevereiro, vários dirigentes regionais e concelhios do PCP marcarão presença à porta de 21 empresas do Distrito cuja lista se divulga com este comunicado. A campanha decorrerá depois, até Junho de 2020, com dezenas de iniciativas como debates, sessões de esclarecimento, acções dirigidas, visitas de deputados do PCP, levantamento de problemas, entre outras

Horários e Localizações das Acções de contacto do PCP na Sexta Feira – 7 de Fevereiro:

07:30 - Leiria - Hospital de Santo André; Pombal - Sumol+Compal; Marinha Grande – Estaleiros da CM da Marinha Grande; Alcobaça – SPAL; Bombarral – Sociedade Agrícola Quinta da Freiria

08:30 - Leiria – Centro Regional de Segurança Social; Leiria – Edificio da CM de Leiria

12:00 - Ansião (Avelar) – Avelmod Téxtil

12:15 - Marinha Grande – CRISAL; Marinha Grande – BA Vidro; Leiria – Novares; Alcobaça – Altantis

13:30 - Pombal – Iber-oleff

14:00 - Peniche – Thay Union (ESIP)

14:30 - Caldas da Rainha – Schaeffler

16:30 - Caldas da Rainha – Promol

17:00 - Caldas da Rainha – Bordallo Pinheiro; Peniche – CM Peniche e SMAS; Porto de Mós – Mat-Cerâmica

17:30 - Ansião – Zona Industrial do Camporez

20:15 - Marinha Grande – Gallo Vidro

 

Imprimir Email

Comício "Intervir, Lutar, Avançar", Marinha Grande, 29.11.2019 - Intervenção de André Martelo, Membro do Secretariado e Executivo da DORLEI

martelo redimensionada

Camaradas:

Aproxima-se o fim de mais um ano em que foram muitas as tarefas e batalhas travadas pelo nosso Partido e pelos seus aliados.

Aqui no distrito de Leiria, como em todo o país, estivemos sempre na primeira linha da dinamização da luta para resolver os problemas dos trabalhadores e das populações, encaramos com determinação as batalhas eleitorais para o Parlamento Europeu e Legislativas, ao mesmo tempo que desenvolvemos esforços para reforçar a organização do nosso Partido, a sua intervenção e influência.

Foi um ano exigente, em que tivemos de concretizar inúmeras tarefas, dar resposta a muitos desafios, preparar e concretizar muitas iniciativas, enfrentar ataques e campanhas caluniosas contra o nosso partido, dinamizar a luta.

Por vezes tivemos de ir encontrar forças onde achávamos que já não tínhamos, para ir a todas as batalhas com confiança e determinação. E fomos camaradas!

Por isso quero em nome da DORLEI saudar todo este nosso valoroso colectivo partidário que se esforçou e fez muito. Saudar todos os homens e mulheres deste nosso Partido que deram o melhor de si para impedir retrocessos e para avançar!

Temos realizado muitas reuniões e plenários no nosso Distrito para debater o que fizemos, mas sobretudo para ver como avançar, como andar para a frente. E aquilo que sentimos é que a nossa organização está unida, confiante, determinada e com disponibilidade para prosseguir e intensificar a luta.

É isso que iremos fazer: Firmes e determinados aqui estamos prontos para intervir mais e enfrentar todos os desafios, confiantes que é pela luta que lá vamos!

É isso que os últimos quatro anos nos demonstram. A luta e a iniciativa do Partido foram determinantes para impedir retrocessos e projectos reaccionários e para avançar na conquista de direitos. E é nesse caminho que iremos continuar a avançar. Com a força da nossa organização, com a força que os trabalhadores e o povo nos deram nas urnas e com aquela que brotará das lutas diárias que continuaremos a travar lado a lado.

Ao olharmos para trás, temos muito orgulho em tudo o que fizemos.

Realizamos importantíssimas campanhas eleitorais. Esclarecemos, fomos ao contacto e à conversa, ouvimos muita gente, afirmámos as nossas propostas e soluções. Estivemos por todo o distrito, nas empresas e locais de trabalho, percorrendo ruas e bairros, defendendo direitos e levando esperança.

Fizemos tudo isto enfrentando silenciamentos e ataques anticomunistas. Mas isso não nos travou. Avançámos assentes na nossa organização e em unidade com os muitos independentes da CDU; com a Intervenção Democrática; e com o Partido Ecologista os Verdes e a nossa primeira candidata aqui no Distrito, a Heloísa Apolónia, que com grande empenho enfrentou esta batalha connosco.

Estamos orgulhosos, e esse orgulho serve para nos dar força e nos projectar para as tarefas e lutas futuras.

E a luta aí está, a desenvolver-se. Saudamos todos os trabalhadores e trabalhadoras do distrito que nas empresas e locais de trabalho exigem uma melhor distribuição da riqueza, melhores salários e condições de trabalho. Saudamos em particular as lutas dos trabalhadores do sector da educação, que realizaram durante o dia de hoje uma importante jornada de greve, mas também os trabalhadores do sector da saúde, da alimentação e bebidas, do vidro, do sector metalúrgico e dos plásticos, entre tantas outras!

A todos eles dizemos que podem contar com o PCP!

Assim como podem contar os pescadores do nosso Distrito confrontados com novas restrições ao seu ganha pão; os agricultores a braços com inúmeros problemas, e as populações nas muitas lutas que aí estão para travar.

Cá estamos para prosseguir a luta em defesa do pinhal de Leiria. Apresentámos recentemente na Assembleia da República uma proposta que prevê um financiamento de 13 milhões de Euros para de uma vez por todas se avançar na reflorestação, recuperação e valorização do nosso Pinhal, que é de todos e tem de ser para todos! E é por isso que rejeitamos o recente programa do Revive que visa alienar as casas do nosso Pinhal, nomeadamente o Parque do Engenho.

Cá estamos para continuar a lutar pela modernização e requalificação da linha oeste, denunciando os atrasos na concretização das promessas feitas na campanha eleitoral, para insistir na nossa exigência de um passe intermodal com tarifários reduzidos para todo o distrito e de melhoria da rede de transportes públicos em vários concelhos do distrito.

Cá estamos a lutar pelo direito à saúde em todo o distrito, nomeadamente com a exigência da construção de um novo hospital para o sul do distrito e de mais médicos, enfermeiros e auxiliares nos nossos hospitais e nos centros de saúde.

Cá estamos para defender o meio ambiente. Exigindo que se cumpra o que se prometeu relativamente à lagoa de Óbidos; que se cuide das arribas do nosso litoral e que se resolva a poluição nos rios Lis e Alcoa.

Cá estamos em tantas outras lutas como pelo direito à educação pública, de qualidade e para todos; pelo direito a serviços de qualidade como no serviço postal ou na justiça; ou em defesa da cultura.

Será como foi até aqui, a luta de massas o elemento decisivo para garantir novos avanços, pela concretização da política alternativa, patriótica e de esquerda.

Em todas estas lutas lá estão e estarão os comunistas.

Em tempos em que o capitalismo em crise recorre cada vez mais à guerra e ao fascismo, em que no nosso País a campanha anticomunista levanta cabeça, é a luta, a organização, o projecto e a memória que será a nossa resposta.

É nesse contexto que valorizamos a luta vitoriosa pela construção do Museu da Liberdade e Resistência em Peniche. Luta que prossegue até que esteja concluído, para que se conheça a heróica história da resistência ao fascismo.

Também por isso no mês de Dezembro evocaremos os 65 anos da fuga de Dias Lourenço e no dia 4 de Janeiro os 60 anos da fuga colectiva da fortaleza de Peniche. Ainda em Janeiro assinalaremos também os 70 anos do assassinato do camarada José Moreira, natural da Vieira de Leiria, construtor do Avante! E do nosso Partido.

Na história do PCP resistir foi sempre tarefa sempre levada à letra. E foi resistindo que fomos avançando, passo a passo, luta a luta. É honrando a nossa história que aqui estamos para avançar e conquistar o futuro.

E para avançar a mais poderosa ferramenta que temos é a organização. Precisamos por isso, todos, de dar mais para reforçar o nosso Partido.

Mais Partido nas empresas e locais de trabalho concluindo a campanha de 5 mil contactos com trabalhadores em todo o país.

Mais Partido com mais recrutamento de mais gente para as nossas fileiras.

Mais Partido garantindo a nossa independência financeira, garante da sua independência política e ideológica e de mais meios para a nossa actividade e intervenção - daí a importância que estamos a dar à campanha de fundos do dia de salário.

Mais Partido difundindo a nossa imprensa, alargando a venda do avante e reforçando a nossa propaganda.

Mais Partido com mais estruturação, mais militantes com tarefas atribuídas, mais trabalho colectivo, mais discussão para tomar decisões sobre intervenção e organização e concretizar orientações, não fechando o Partido sobre si próprio, antes promovendo todas as formas de ligação às massas.

Num Partido revolucionário como o nosso é da militância de cada um que se faz a força do colectivo partidário. Os desafios que temos pela frente são grandes, mas apaixonantes.

Defenderemos e reforçaremos o Partido, asseguraremos que cumpre o seu papel, garantiremos a sua intervenção e alargamento de influência, firmes e determinados nos objectivos, no ideal e projecto comunista, pois é daí que nos vem a inabalável confiança de que é justa e invencível a causa porque lutamos.

Imprimir Email

Comício "Intervir, Lutar, Avançar!" na Marinha Grande

O PCP realizou no passado sábado, dia 29 de Novembro, um comício na Marinha Grande que expressou a determinação do PCP em Intervir, Lutar e Avançar com os trabalhadores e o povo, pelos seus direitos e aspirações. Intervieram no comício O Secretário Geral  do PCP, Jerónimo de Sousa, e , em nome da Direcção da Organização Regional de Leiria, André Martelo. Participaram também, com um momento musical de grande qualidade os músicos Catarina Moura, Luís Pedro Madeira e Manuel Pires da Rocha.

 Lê as intervenções do Comício: 

Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário Geral do PCP 

Intervenção da DOR Leiria, por André Martelo, membro do Secretariado e Executivo da DORLEI

Imprimir Email

Miguel Viegas, deputado do PCP no Parlamento Europeu, realizou jornada de contactos no Distrito de Leiria

MV Agricultores Pombal 1 MV Agricultores Pombal 2

MV Agricultores Pombal 3 MV Magusto Bombarral 1

MV Magusto Bombarral 2 MV Mercado Leiria

MV Reuniao agricultores

O Deputado do PCP no Parlamento Europeu, Miguel Viegas, participou ontem, dia 17 de Novembro numa acção de contactos no Distrito de Leiria.
 
Pela manhã o deputado do PCP visitou o Mercado Municipal de Leiria onde contactou com a população e os vendedores daquele Mercado, junto dos quais recenseou um conjunto de opiniões relativas às insuficientes condições no Mercado Municipal de Leiria, ao impacto das grandes superfícies comerciais no comércio local do Concelho e ainda as difíceis condições de escoamento dos produtos agrícolas, fruto das consequências do desinvestimento da política de direita na pequena e média agricultura e da política agrícola comum da União Europeia.
 
Durante a tarde o deputado do PCP deslocou-se ao Concelho de Pombal onde realizou um Encontro com a Comissão de Agricultores da Quinta de São Lourenço, envolvidos na recuperação de um sistema de regadio que o deputado teve a oportunidade de visitar - um exemplo da importância do movimento associativo dos pequenos agricultores na criação de melhores condições de produção. Neste encontro e visita ficaram mais uma vez patentes as dificuldades dos pequenos e médios agricultores no escoamento da sua produção e em conseguirem preços à produção justos e viáveis, factores que afastam as camadas mais jovens da actividade agrícola. A questão do desligamento dos fundos europeus da produção foi uma das questões levantadas pelos agricultores, denunciando vários casos em que os fundos da União Europeia não são canalizados para o apoio real à produção agrícola.
 
Já no final do dia do deputado do PCP deslocou-se ao Concelho do Bombarral onde participou num Magusto/Convívio organizado pela Organização Concelhia do Bombarral e em que o Deputado do PCP, que foi acompanhado nesta Jornada de Contactos por vários dirigentes do PCP no Distrito de Leiria, valorizou as conquistas alcançadas no quadro da nova fase da vida política nacional, nomeadamente no Orçamento do Estado 2019, e afirmou a necessidade do prosseguimento da luta e da acção do PCP por uma política patriótica e de esquerda como único caminho para ir mais longe na conquista de direitos e na resolução dos problemas e défices estruturais do País.
 
 
 
Marinha Grande, 18 de Novembro de 2018
 
Organização Regional de Leiria do PCP

Imprimir Email

PCP visitou zonas atingidas pela Tempestade Leslie no distrito de Leiria

Visita Tempestade Leslie 12 Visita Tempestade Leslie 17

Visita Tempestade Leslie 26 Visita Tempestade Leslie 42

Visita Tempestade Leslie 48 Visita Tempestade Leslie 52

Uma delegação do PCP, constituída por Ângelo Alves e João Frazão, membros da Comissão Política do Comité Central do PCP; Filipe Rodrigues, Membro do Comité Central e outros membros da Direcção da Organização Regional de Leiria do PCP, visitaram hoje diversas explorações agrícolas e edificações nos concelhos de Pombal e Leiria, atingidas no passado dia 13 de Outubro pela Tempestade Leslie, que assolou a região Centro.
 
Com esta deslocação, o PCP pretendeu inteirar-se da situação em que ficaram as populações e em particular os agricultores vítimas de mais esta tragédia, conhecer qual a intervenção que, no terreno, já se fez sentir por parte do Governo e designadamente do Ministério da Agricultura, avaliar as medidas que são ainda necessárias e dar a conhecer a proposta que o PCP já entregou, no quadro do debate na especialidade do Orçamento do estado para 2019, que prevê um mecanismo especial de apoio para a recuperação de prejuízos e reposição do potencial produtivo perdido com esta violenta tempestade.
 
A delegação do PCP efectuou visitas a seis explorações agrícolas ligadas à produção de plantas e hortícolas em viveiro, à produção de arroz, à produção de hortícolas em estufa e ainda a um projecto que, dias antes da tempestade, estava a iniciar a produção de morango em hidroponia.
 
A imagem de devastação encontrada, três semanas após a passagem da tempestade, é reveladora da brutalidade e dos prejuízos que causou a dezenas de pequenos e médios agricultores, em culturas e equipamentos de apoio. Só nas seis explorações referidas, que empregam mais de uma centena de trabalhadores, a delegação do PCP pôde, a partir da informação dos produtores, constatar prejuízos superiores a 1 milhão e 300 mil euros.
 
Para o PCP a exigência que se coloca, tendo também em conta a experiência dos incêndios de 2017, é, para lá da assumpção de responsabilidades por parte das Seguradoras, uma resposta da parte do Governo, simultaneamente célere e simples, que tenha em conta o tipo de agricultores afectados e a dimensão das explorações.
 
Assim, o PCP propôs já na Assembleia da República: a) que os apoios até 5000€ sejam simplificados, libertando-os de complexas e burocratizadas regras, requisitos e exigências do PDR2020; b) que o Governo atribua adiantamentos necessários às vítimas que comprovadamente deles necessitem; c) que os apoios sejam também atribuídos a Cooperativas, Agrupamentos de Produtores e Associações.
 
Para lá da celeridade e simplificação dos apoios - questão central para garantir que os produtores atingidos se sintam estimulados e possam reiniciar a sua actividade o mais rápido possível -  uma das mais sentidas exigências transmitidas pelos agricultores ao PCP foi a da abertura de uma linha de crédito, com créditos de longo prazo e sem juros, para o desendividamento e para operações de tesouraria.
 
O PCP expressa a sua mais profunda solidariedade para com as vítimas de mais esta autêntica catástrofe, e reclama respostas imediatas para que seja reposto o potencial produtivo perdido e para que sejam compensados os agricultores pelos rendimentos perdidos.
 
 
 
06 de Novembro de 2018
 
Direcção da Organização Regional de Leiria do Partido Comunista Português

 

Imprimir Email